quinta-feira, outubro 29, 2009

Luz de Presença

O mais velho já tinha tido uma pijama party aqui há uns tempos. Era portanto natural que o do meio reclamasse para si iniciativa semelhante. Era natural também, tendo ele feito anos, juntar os festejos com a dita pijama party. Ora se São Martinho costuma ser destino habitual de fim-de-semana, é com naturalidade que se encara a realização da mesma em tão agradável destino. Se a capacidade das duas viaturas é de oito crianças, e se a da casa é de dez, porque não esgotar o evento? Pois claro. Já agora, ficam uns amigos para convidar e então, toca de juntar mais cinco adultos e sete crianças. Estes último grupo só no Sábado já que a lotação de dormidas esgotou. Falamos portanto de um total de sete adultos e quinze crianças.
Uma vez chegados ao destino, o destino, que prega destas partidas, resolve ditar a inexistência de electricidade. Nada demais caramba. Um telefonema para a EDP e o piquete faria o que tinha a fazer. Uma ida ao agente mais próximo, e uma hora e meia de uma surreal conversa telefónica para a linha de apoio ao cliente da EDP e o resultado mais desejado. Reabastecimento só no dia útil seguinte. A conversa com os vários personagens do Call Center da EDP, dava por si só, direito a um artigo. Não vem a propósito.
Ficou assim eufórico o senhor da loja chinesa com a quantidade de lanternas, pilhas e velas que adquiri naquela tarde. Um balúrdio. Nunca gastei tanto dinheiro no comércio oriental, e não por falta de oportunidade, que já em chinatown andei a comprar relógios armados em bons.
O terreno de São Martinho, a casa na árvore, o slide, as visitas ao cão no fim da estrada de terra batida, digo molhada, digo enlameada, a ida até à baía para jogos de futebol, as estafetas, pareciam garantir o consumo de energia necessário para a tranquilidade a partir das oito da noite. Nada mais errado. Aqueles selvagens têm super poderes e reservas inesgotáveis. A churrascada, as lanternas na cabeça, e as centenas de velas espalhadas, e o tema halloween conferiam uma atmosfera ideal para a brincadeira se prolongar até quase meia noite. Estupores nem vergavam, tampouco cediam. E eis que os adultos de Sábado abandonam o local, arrastando consigo as respectivas sete crianças. Cobardes. Maricas. Traidores. E agora? Oito para dois. Sem luz, os palhaços da EDP não perdem pela demora.
Àquela hora tudo serve para atritos. Quem dorme na parte de cima do beliche, quem dorme no quarto, quem dorme na sala, quem fica com as lanternas, quem dorme com quem. A porcaria das horas também tinham que mudar no fim de semana. "Quem acordar às sete, tem que beber um frasco de atarax e leva com a garrafa na cabeça para perder os sentidos." A ameaça parece funcionar. Só acordaram, todos, às 7:20. A mudança da hora assegurou a existência de luz no exterior.
O pequeno almoço. Inolvidável. Porque o leite é mais quente, porque é mais frio, porque os cerais são diferentes, e as estrelitas têm poucas pontas, porque é mais fiambre, sem manteiga. "Mas quais torradas , meninos ? Vou acender o churrasco para fazer torradas ? Vamos lá a despachar que temos que ir para os cavalos." Festa garantida e só cavaleiros éramos nove. Sete porque dois resolveram não arriscar. Futebol para quem não está em cima do cavalo. "Paiiii. A bola foi parar ali. Podes ir buscar ? Ali, naquele monte de terra … ai não é terra? Cocó de cavalo? Tem graça, daqui parece mesmo terra."
Almoço e mais brincadeira tarde dentro. Muita e intensa. No regresso a Lisboa, baixam guardas e adormecem no carro. Ainda ouvi uma conversa:
- quando morrer vou doar o meu corpo à ciência
- o que é isso ?
- é dar o corpo para eles estudarem
- eu vou ser empalhada e ficar na sala
Distribuídos pelos respectivos pais, o regresso ao mundo electrificado. O importante é que eles se divertiram. E nós também claro.

4 comentários:

Débora disse...

Ahahaha! Cocó de cavalo e terra é parecido! :D

Cool Mum disse...

Do melhor!
De facto gaijos e gaijas não têm nada a ver...

Clara disse...

[me-do].

já passei por algo semelhante. ainda sofro do stress pós-traumático e ler este texto trouxe-me memórias. vou precisar de anos de terapia para superar. anos. ["para que são as lanternas? para quando forem dormir. ah, então não vou precisar, não vou dormir!" - sabes que quase conseguiram cumprir na íntegra?].

Maguita disse...

Só para dizer que acabei de ler o post com um sorriso e que não me importava nada de ter feito parte desse fim-de-semana sem luz!