sexta-feira, janeiro 15, 2021

Apocalipse - dia décimo primeiro

Eis que, depois de um período mais ou menos longo com mais ou menos restrições intercaladas com alguns graus de liberdade, regressámos aos tempos de confinamento. A pausa na escrita não está relacionada com qualquer fim de confinamento, antes com o facto de, no início de Maio, ter chegado cá a casa a pior das decisões do confinamento. Já éramos poucos numa casa pequena, que resolvemos que os tempos de pandemia eram o ideais para integrar uma figura feminina na família. Podia ser uma tartaruga, ou uma galinha, ou uma iguana, mas não. A inteligente opção foi por uma cadela da mesma raça do cão que já por cá andava e ele é tão sossegado e precisa de companhia até porque estávamos todos enfiados em casa e o cão se sentia, com certeza, tão abandonado rodeado e mimado por nós os cinco.

O raio da cadela é o diabo com as orelhas compridas. Já está no nono mês de permanência cá em casa e só faz merda. Fazer cocó (que também faz) é uma necessidade fisiológica, mas fazer merda é um estilo de vida, uma escolha. Rói mobiliário, faz escalada e passeios sobre a mesa da casa de jantar e a bancada da cozinha, provoca o desgraçado do cão até ao limite da paciência, come papel higiénico que em tempos de confinamento deve ser considerado crime,  velas, coleções de vinil e de banda desenhada, mata as ovelhas do presépio – aquilo parecia a herdade da Torre Bela com as ovelhas todas abatidas e, pior que tudo, é adorável o que inviabiliza a opção do empalhamento.
Com a graça de Deus e do sr Ministro da Educação, neste confinamento, os estabelecimentos de ensino mantêm-se abertos o que mantém fora de casa, durante algumas horas, aqueles três adolescentes e jovens adultos simpáticos que coabitam connosco. Pena é que o diabo de orelhas compridas não frequente o ensino básico em regime de internato que sempre nos aliviava as camadas de nervos e as correrias de esfregona para as pequenas poças de xixi que, cada vez com menor frequência – diga-se, o monstro vai espalhando pela casa.

Só peço, nas minhas orações, que este confinamento não nos traga a insanidade do anterior porque senão corremos o risco de chegar a Fevereiro com uma cabra, uma vaca ou uma búfala  dentro de casa. Sempre dava para fazer manteiga e queijo e poupava na quantidade absurda de litros de leite que os estudantes semi confinados e o adulto confinado consome.

sexta-feira, maio 08, 2020

Apocalipse - Dia décimo


Nem de propósito, O Big Brother, regressou ao panorama televisivo nacional. Por ora num registo muito semelhante ao de tantos portugueses confinados em casa, em tempos em que a nossa vida também se assemelha a um Big Brother.

É mesmo assim, esta casa é um verdadeiro Big Brother. Entre estudantes e trabalhadores à distância em tele trabalho somos cinco, e somando o número de telemóveis com o número de câmeras dos portáteis com o número de câmeras do sistema de alarme dá uma dúzia. Uma casa, cinco pessoas, doze câmaras, um cão. Bem vindos a uma das casas mais vigiadas do país. Na verdade isto é em tudo muito semelhante ao Big Brother, mas sem a Teresa Guilherme. Um aparte sobre o programa da televisão, acho muito mal que não tratem o Cláudio Ramos por Teresa Guilherme, sempre se mantinha um certa tradição. Dizia então das semelhanças. A marquise, porque também é dos poucos sítios da casa que tem rede, foi transformada em confessionário e é dali que, ao telefone com colegas ou amigos a quem chamamos sempre Teresa Guilherme, nos lamentamos sobre a ansiedade destes tempos e chegamos a fazer nomeações.

Já ouvi uma pessoa cá de casa no confessionário à beira de um ataque de nervos: “Isto aqui dentro é muito intenso, uma hora parece um dia e um dia parece uma semana. Sabe Teresa, estamos 24 horas por dia uns com os outros e às vezes já não temos discernimento para avaliar as situações” Para já esta merda desta matemática está toda errada e essa frase é uma estupidez. Um dia tem 24 horas. Portanto se uma hora parece um dia, um dia tem que parecer 3 semanas e meia. Não se muda a escala assim a meio da frase, com franqueza. Outras frases que se ouvem muito são “Eu sozinho faço mais pela casa do que outros todos juntos. Nem a porcaria da bancada sabem limpar. Todos os dias, todo o santo dia, chego à cozinha e a tampa do microondas está fora do microondas. Eu só arrumo, Teresa, porque não consigo viver assim no meio da chafurdice.” ou “Mandem-me lá para fora, que eu já não aguento estar aqui fechado. Ó produção, posso sair ?”

Hoje é dia de nomeações e como só estamos cinco só podemos nomear um. Estou com dificuldades na escolha. Podia nomear o Manuel F. porque na verdade ele está farto da casa e quer ir surfar e por outro lado o quarto dele tem a melhor secretária da casa e dá-me jeito para trabalhar em paz. Também podia nomear o João F. porque é o que contribui menos e não tem os horários dos outros concorrentes. Faz comida a meio da noite, deixa tudo sujo, deita-se quase de madrugada e foi dos últimos a entrar no concurso. Se não fosse esta coisa da covid ele estava em Erasmus na Alemanha.

Enfim, vou ter que decidir até ao directo de logo à noite. Agora tenho que ir que o António F. precisa da minha ajuda. Resolveu mudar a disposição do quarto e como aquilo é pequeno, a cama está encastrada na porta e o rapaz há 3 horas que não sai da solitária.

domingo, abril 26, 2020

Apocalipse - dia nono - dia da Liberdade

O paradoxo de celebrar, confinado, o dia da liberdade. E ainda assim, tão celebrado, que a necessidade aguça o engenho, e se ainda tantos sabem da urgência de o celebrar. E se outros tantos, mais do que antes, o fizeram este ano. Porque a “sede de uma espera só se estanca na torrente”.

Celebrações oficiais à parte, as ruas da cidade marcaram encontro nas varandas para cantar a canção. E antes da hora marcada já o vizinho do 16, espalhava pela rua a “Liberdade” do Sérgio, a “Inquietação“ do José Mário e o “Depois do Adeus” do Paulo. As vizinhas do 14, mesmo à nossa frente, aproveitavam a varanda ao sol para a encher de cravos e apanhar a boleia das canções do vizinho do 16. Vamos então à janela, quase na hora certa, e em conversa de vizinhos cúmplices nisto da quarentena, nisto de celebrar a liberdade, elogiamos-lhes os cravos que desta vez não tivemos oportunidade de comprar.
Quinze horas e lá se ouve o som dos pés compassados que introduzem a canção. Alguns vizinhos juntam-se agora para cantar que “em cada esquina, um amigo” e “em cada rosto, igualdade”. Palmas no fim e desejos trocados de bom dia da Liberdade, ainda que confinada, mais escancarada este ano.

Passadas horas vou passear o cão e no regresso as vizinhas do 14 saem do prédio e entregam-me, à distância de dois braços, um sorriso e um molho de cravos: “A sua mulher disse que não tinham então resolvemos dividir os nossos”.

Há 46 anos um restaurante celebrava um ano da inauguração e havia cravos para assinalar o aniversário. Com o golpe de estado, sem que o restaurante pudesse abrir, o gerente distribui os cravos pelos funcionários e mandou-os para casa. A Celeste, uma das funcionárias do restaurante, aproximou-se de um dos tanques perguntou o que se passava, ao que um soldado lhe respondeu "Nós vamos para o Carmo para deter o Marcelo Caetano. Isto é uma revolução!". O soldado pediu-lhe, ainda, um cigarro, mas Celeste não tinha nenhum. Celeste queria comprar-lhes qualquer coisa para comer, mas as lojas estavam todas fechadas.

Deu-lhes as únicas coisas que tinha para lhes dar: os molhos de cravos "Se quiser tome, um cravo oferece-se a qualquer pessoa". O soldado aceitou e pôs a flor no cano da espingarda. Celeste foi dando cravos aos soldados que ia encontrando, desde o Chiado até ao pé da Igreja dos Mártires.

As vizinhas do 14 foram a nossa Celeste, e como souberam bem aqueles cravos recebidos. A Ana agradeceu com um cartaz de obrigado colocado no meio das sardinheiras da janela. Os sorrisos atravessaram a rua quando viram o cartaz. Afinal há abraços que podem ser dados à distância.  

quinta-feira, abril 16, 2020

Apocalipse - dia oitavo


Esta promiscuidade física entre o escritório e a cozinha aliada a uma certa ausência de disciplina faz com que as próprias actividades se embrulhem e os horários sejam esbatidos. É frequente começar a trabalhar às 9 da manhã e terminar às 10 da noite com a nítida sensação de objectivos atingidos com sucesso, porque duas reuniões online, uma sopa de marisco, um relatório de progresso, umas pataniscas com arroz de tomate e dois planeamentos de projectos actualizados.

Não é só promíscua esta proximidade, como também é extremamente calórica e por via das dúvidas acrescentei à minha lista de actividades, a actividade física. Pesos, tapete, garrafa de água e computador vão para a zona entre a secretária e a sala e lá me ponho a acompanhar no youtube as aulas de ginástica localizada, as aulas para queimar muita gordura em 20 minutos, o treino completo para pernas e bumbum e os exercícios para perder a barriga em 12 minutos. Ele há treinos para tudo e com todas as durações possíveis. Se este ano houver direito a praia vou deixar muita gente surpreendida com a minha boa forma. Quer dizer, se além de ir às praia também for possível ir a praias onde estejam outras pessoas. Sem máscara se possível.

Queria só terminar deixando um apelo de forma a melhorar a sã e pacífica convivência entre os elementos cá de casa:  
“Solicita-se que após as actividade de engomadoria, a tábua e o ferro de engomar não sejam deixadas no meio do ginásio porque perturba a mobilidade dos atletas praticantes. Obrigado”

quarta-feira, abril 08, 2020

Apocalipse - Dia sétimo


Se há coisa que cresce, além da ansiedade, durante uma quarentena, é o cabelo. Mesmo em carecas que ainda ficam pior com gadelha do que qualquer outra espécie, porque há zonas sem qualquer cabelo e outras com cabelo ridiculamente compridos. Normalmente atrás e dos lados sendo que o pólo norte está um deserto capilar. Os cabelos dos miúdos também crescem desalmadamente e começou a tomar corpo a ideia que, o melhor mesmo, era  comprar uma máquina de cortar cabelo e fazer a manutenção capilar em casa.

Chegou ontem e, nem passadas 24 horas, já há uma corrente de pensamento que defende que nunca deveria ter chegado. A rainha e o Maria dos caracóis não aderiram à iniciativa. O bochechas, o sirenes e eu decidimos dar uso ao artefacto. Sabiamente, o mais velho cortou atrás e nas laterais deixando a parte de cima, farta mas bem cortada. Foi uma intervenção calculada e correu bem.

O mais novo, optou por um modelo avatar dita, para imensa alegria da matriarca cá de casa que só não foi com uma síncope para o hospital porque nesta altura o melhor é evitar situações delicadas de saúde que convidem a uma ida às urgências.
A besta rapou a cabeça e deixou uma seta no alto da dita.

Eu ia fazer um corte exactamente igual ao que faço no barbeiro. Pente quatro em cima, pente três dos lados e atrás. Eu não sei que merda de escala é que a porcaria da máquina tem, mas de certeza que não é igual à do meu barbeiro – “barbeiro do bairro”. Na primeira passagem até me ia cuspindo quando olhei para o espelho. Aquilo estava a cortar aos soluços (atente-se que nada tem nada a ver com tremeliques a cortar) ou lá que era , que mais parecia uma ovelha com uma doença dermatológica com bocados de lã a cair e outros intactos. Lá fiz uma segunda passagem devidamente assistido pelo mais velho e aquela porcaria tem mesmo a escala desajustada. Só pode. Nem nos tempos de tropa senhores. Fiquei tão mais careca, que a parte mais comprida do meu penteado são os cinco cabelos do pólo norte que resistiram à passagem da máquina. Estilo cebolinha.

Portanto, feitas as contas, depois da chegada da rebarbadora temos uma mãe e um filho com cabelos compridos, um avatar, um cebolinha e um com um ar meio rabeta.
Um dia destes vamos pintar o cabelo à mãe e há vários artistas inscritos para participarem na actividade criativa. Vai, com certeza, ficar um espectáculo.    

sexta-feira, abril 03, 2020

Apocalipse - Dia sexto


O estado de alerta cá de casa subiu para laranja, o segundo mais grave numa escala de quatro níveis. Numa manhã como todas as outras desta quarentena, a vizinha de baixo, médica, resolve telefonar para informar sobre o resultado do seu teste de covid-19: positivo. O bicho chegou ao condomínio. É preciso colocar o prédio em isolamento sanitário, pelo menos o 1º direito. Organizámo-nos em equipas. Equipas de um que é outra maneira de dizer cada um fez a sua coisa.

A rainha saiu de luvas, máscara improvisada a tapar cabelo boca e nariz, os panos todos de limpeza, esfregona e balde com uma solução que envolvia todos os detergentes e desinfectantes que encontrou (lixívia, vim verde, pronto madeiras escuras, fairy limão, álcool, champô - anti pulgas e esfoliante da sephora). Aquele balde da esfregona fazia inveja a muito radical muçulmano e estava prestes a explodir a qualquer momento. Ainda por cima só se lhe viam os olhinhos, se aparecesse assim num posto de controlo israelita era abatida num segundo. Dirigiu-se às áreas comuns da frente do prédio e foi tudo a eito… escadas, corrimões, manípulos de portas, caixas do correio, contadores e interruptores de luz e de abertura de porta. Ainda se colocou a hipótese de pregar umas tábuas a impedir a abertura da porta da fracção contaminada, mas a ideia foi vetada porque podia causar algum constrangimento à interacção do mundo com a senhora doutora. Mas quais interacção ? A senhora está contaminada senhores.

Eu fui tratar da transferência da zona contaminada cá de casa. Deixou de ser no hall de entrada e passou a ser no hall das escadas. Quando chego da rua é na zona contaminada que me livro de roupas e sapatos e procedo à desinfecção de focinho e patas do animal. Esta transferência devidamente comunicada no whatsapp do condomínio criou logo um frenesim no vizinho do lado que achou que a descontaminação deve ser feita no recato de cada lar. Nenhuma argumentação sobre coisa nenhuma pega com aquele homem que normalmente está contra qualquer decisão que seja tomada por outros que não ele, pelo que nos escusámos a explicar que a entrada da nossa casa é colada ao quarto do miúdo que tem asmas, alergias e dificuldades respiratórias frequentes e que portanto o melhor seria mesmo ser no lado de fora da nossa porta e que se trata de uma trela, um casaco e uns sapatos velhos e não de um charriot cheio de cabides com coronas de vários tamanhos e marcas. Ainda pensei em ter lá umas calças mas ia ser triste estar de cuecas numa zona comum. Triste e arriscado porque este vizinho do lado que está sempre contra tudo, também está contra a minha orientação sexual e eu não quero cá olhos colados no óculo cusco da porta do lado.

Por falar em traseiras, na traseira do prédio um dos miúdos foi colocar uma barreira física que impedisse o cão da fracção contaminada – vulgo cãotaminado – de subir as escadas até às fracções adjacentes. Ficou assim criado um corredor de evacuação até ao quintal da fracção contaminada para o cãotaminado evacuar, perdoe-se a redundância. Acontece que esse trajecto que o cão faz é comum ao utilizado por vários animais de outras fracções para aceder aos respectivos logradouros, pelo que o melhor seria ensinar o cãotaminado a servir-se em casa evitando assim o gastar de lixívia, vim verde, pronto madeiras escuras, fairy limão, álcool, champô - anti pulgas e esfoliante da sephora, sempre que procedemos à desinfecção do dito corredor após cada utilização pelo bicho.

Até que haja novos factos que justifiquem a respectiva reavaliação, o estado laranja mantém-se. Já pedi à senhora para ligar o exaustor lá de casa e dar muitos puns para que a fracção fique em constante pressão negativa, obrigando o ar a sair pela chaminé… raios a chaminé, é preciso tratar dessa área comum. Vou à sephora comprar mais esfoliante, que se há coisa que a chaminé consome é esfoliante.

terça-feira, março 31, 2020

Apocalipse - dia quinto

Os fins de semana, e por vezes os fins da tarde são dedicados a actividades domésticas. A senhora cá de casa está também em quarentena e não há maneira de se entender com o tele trabalho. O pó acumula-se e o cão parece que está a mudar o pelo todo. Limpar o pó é chato. Aquilo escolhe lugares estranhos para ajuntamentos sobretudo em locais de difícil acesso. Atrás da televisão, por cima das portadas, nos roda-pés, por cima dos quadros e em tudo o que é friso. O pó é inconveniente como um repórter da cmtv, só que se consegue tratar dele e não trabalha numa empresa que tem um departamento jurídico maior que a redação.

Cá em casa há panos para tudo e produtos para mais coisas ainda. Móveis em madeira, móveis brancos, vidros, electrodomésticos, cozinhas e casas de banho têm panos diferentes e produtos diferentes. Fazer uma divisão, digo assim porque parece mais profissional, é semelhante a ir ao atelier da Joana Vasconcelos quando ela fizer uma nazarena de trapos e embalagens.

Parece-me que tenho umas camisas para engomar e aquele ferro em caldeira parece uma máquina do demo, cada vez que carrego numa tecla acho sempre que o Dom Sebastião vai ser sair dali no meio de tanto vapor. Camisas também não é fácil e estou a tentar criar uma técnica que simplifique o processo. A única que parece resultar até agora é usar t-shirts em vez de camisas, mas eu chego lá.

domingo, março 29, 2020

Apocalipse - dia quarto


Diz que o tele trabalho funciona melhor se mantivermos as rotinas de escritório. Levantar cedo, tomar banho, vestir uma roupa adequada a qualquer video-conferência que possa surgir o que pode incluir camisa, blaser e calças de fato de treino, embora pessoalmente opte pela camisa,pullover e calças de ganga, tomar o pequeno almoço e passear o cão. A menos da ausência do trajecto casa escritório, a manhã é em tudo muito semelhante a uma manhã de trabalho até que se aproxima a hora de almoço. Ora eu não tenho por hábito cozinhar o almoço quando estou no escritório e agora em quarentena as coisas não são bem assim.
Além do requisito de cozinhar o almoço, esta quarentena tem sido farta em desejos gastronómicos. Um destes dias fui invadido por uma vontade súbita de cozido à portuguesa e, entre descobrir que não conseguia via Uber-eats,  encomendar as carnes no talho, e preparar o cozinhado, levei cinco dias até o conseguir fazer. Além do cozido, já houve almoços de peixe ao vapor, chocos na grelha e bochechas de porco. Eu que despachava tantas vezes o almoço com um mc Donalds, um H3 em dias especiais, uma sandes de presunto e queijo da serra ou um prego. Não é do tempo e do esforço que falo. É mesmo da gula. É que se o vírus tem uma curva monitorizada, por aquilo que eu vejo nas redes sociais e pelas pessoionhas que estão comigo a fazer esta quarentena, a curva da gula atingiu toda a população e não há forma de lhe inverter a derivada. Devia haver um boletim diário sobre o número de infectados pela gula, e pela ansiedade, e pela neura também.
Além dos meus cozinhados, nesta casa já houve petits gâteuax feitos de origem, gnocchi feitos de origem, caril de vária ordem, doces de ovos moles, bolo de brigadeiro e biscoitos de todos os tipos. Esta quarentena protege-nos do contágio do virús mas está longe de nos proteger do nosso próprio e voraz apetite.
À cautela, a balança cá de casa, está isolada no caixote de lixo desde o início de março. Não vá ela querer dar algum recado a alguém mais impaciente e abrir um lenho a alguém que passe na rua quando for arremessada janela fora.

sexta-feira, março 27, 2020

Apocalipse - dia terceiro

Tendencialmente, os passeios do cão e as compras pertencem-me. Cruzo-me com as pessoas que, nas respectivas casas, também ganharam o sorteio de passear os cães e vou a um minimercado de bairro que existe há pelo menos 30 anos muito graças à qualidade do bacalhau que vende. Já sou muito amigo dos donos e dos empregados do minimercado e eles tomam conta do cão à porta enquanto eu faço as compras. No primeiro dia, como quem não quer a coisa, mostrei-lhes dois ou três truques que o cão faz e agora, enquanto eu faço as compras, ouço a Deolinda a explicar à senhora que está na rua à espera da vez para poder entrar, que o Matias é o cão mais esperto que ela conhece:
- garanto-lhe que ele sabe morrer. Ó Matias morre lá. Bang Bang. Juro. Quando o dono lhe diz bang bang ele atira-se para o chão e morre um bocadinho. Palavra de honra.

Por falar em senhora à espera da vez, o que é que fazem tantas senhoras e senhores assim a modos que, como hei-de escrever isto, com idade para terem muito mas muito juízo, sempre a laurear a pevide na rua ? Como se o facto de terem nascido pouco depois da gripe espanhola lhes desse equivalência para este corona. Logo agora, que podem pedir as compras do supermercado e da farmácia, embirraram que haviam de sair de casa e logo todos de uma vez. Parece o Cocoon. O bicho anda aí e infelizmente não é verde florescente, nem do tamanho de um caniche. O bicho é muito pequeno e apanha-os num instante. Saiam da rua senhores, por favor, que é muito perigoso. Usem os serviços que os vizinhos e as juntas de freguesia estão a disponibilizar. A sério.

Tempos estranhos estes. Os anciãos a querer passar o dia na rua, os adultos a querer ir para os empregos e os adolescentes fartos do sofá. Mais uns dias e ainda vamos ver a Joacine a querer abandonar o parlamento. Paradoxos do apocalipse, já se vê.

quinta-feira, março 26, 2020

Apocalipse - dia segundo

A quarentena, não fazendo por mal, obriga-nos a prestar atenção a alguns detalhes que quase nos passavam despercebidos dentro da própria casa, ou nas vizinhanças próximas.

Não fazia ideia que tinha tantos vizinhos e, por incrível que pareça, a maior parte deles interage com bom dia e boa tarde e chegam a sorrir. Até os do 2º esquerdo do nº 27, pasme-se. Parecem uma republica estudantil e até há dois dias atrás  tinham uma escala para irem à varanda fumar e comer. Entretanto ou baixaram o nível de alerta para laranja ou enrolaram-se todo uns com os outros que já vai na segunda noite que fazem raves na varanda e na escada todos a menos de um metro uns dos outros e bebem, cantam, conversam e riem. Não me incomoda e até gosto de ouvir a agitação. Se se lembrarem de cantar canções de tuna académica, chamo a polícia e a direcção geral de saúde. Até lá, podem continuar.

Há três rapazes mais ou menos miúdos, mais ou menos adultos, que vivem cá em casa e que também parecem ser muito simpáticos. Até cozinham de quando em vez. Um de forma mais consistente, outro sempre que necessita e o do meio sempre que não consegue convencer ninguém a cozinhar para ele. Além de cozinhar, começam a sorrir e já dão os primeiros passos fora do quarto. Não tarda começam a falar connosco. Parece que estamos a reviver a altura em que eram bebés. Aposto que mais duas semanas e a rainha convence-os a voltar a vestir de igual e lá para o final de Abril ainda voltam aos cueiros e podemos andar com eles ao colo. Estou doido para que digam pai. Ao fim da tarde estão um bocadinho agitados mas nada que umas colheres de atarax não possam resolver.

O cão está cada vez mais profissional e hoje foi o cão que melhor se portou na conference call das 10, ao contrário do cão do responsável técnico do cliente que ladrou durante a reunião toda. Estou muito contente com o desempenho dele e acho que o vou promover de rookie a associate consultant e fazer cartões de visita para ele.


terça-feira, março 24, 2020

Apocalipse – dia primeiro

Está bem que as aulas foram canceladas há quinze dias, que eu já estou em tele trabalho há dez e que o estado de emergência foi declarado há cinco, mas a escrita rege-se por outras métricas e dia primeiro seja.

Estamos os cinco e o cão enfiados em casa e aos poucos e em tempos diferentes vamo-nos habituando a novas rotinas e arranjando estratégias para atenuar, esbater e achatar a muito pessoal curva do desespero.

A coisa prometeu ser animada logo no primeiro domingo de recato doméstico. É que provavelmente íamos ter que ficar em casa e é preciso não descurar a actividade física que é tão importante e vai daí, de repente estou a sair da decathlon com uma geringonça de step ao colo. Percebi logo que dali até ficarmos todos  infectados ia ser um instantinho. A geringonça de step tem uns pés deslizantes e uns elásticos e o mais certo é um de nós sair dali em duplo empranchado até à esquina de um móvel, abrir um lenho na cabeça ou partir um ou outro osso e ter que ir às urgências. Daí até fazer parte dos números diariamente divulgados pela DGS ao início da tarde, é um pulinho, já se vê.

Sobre a quarentena em si, o cão é quem parece ter maiores dificuldades de adaptação. Habituado a manhãs e tardes entregues à preguiça e à sesta, há duas semanas a esta parte que está demasiada gente em casa, sobretudo na cozinha e ele não resiste aos barulhos da caixa do pão, da torradeira a saltar, da lata dos biscoitos a abrir e há quinze dias que não prega olho durante o dia. Acresce que de repente toda a gente parece muito interessada em levá-lo à rua. Até bolhas nas patas o desgraçado do bicho apresenta com tanta ida à rua. Além de tudo isto, o bicho está talhado para uma carreira de consultoria. Não falha uma video conferência, normalmente com intervenções mais pertinentes que qualquer dos intervenientes. Também gosta de conference calls, porque pode ladrar à vontade o que é muito agradável para todos os participantes. Os auriculares parecem querer explodir no tímpano quando chega aos latidos mais agudos. É o animal ideal para ter em casa quando estamos em quarentena em regime de teletrabalho.

As faculdades, os ginásios, e as empresas promovem tele cenas para cada um dos cinco, e não há hora em que a casa não esteja a ser transmitida para qualquer sítio. Parece o bigbrother que por acaso não começou derivados do coisovid. Para evitar a existência de horas sem emissão, ainda existem as aplicações houseparty de cada um de nós para promover tele conversas, tele aniversários e tele bezanas sempre que tal se justifique. No sábado, o meu filho mais velho convidou-me para ser o par dele num tele quizz. Que programão, uma coisa de pai e filho, muito comparsas. Só revelou a minha total inabilidade para saber o nome de países com umas bandeiras que eu nunca tinha visto, ou o ramo de actividade da Nokia quando foi criada no século XIX, ou o nome original dos pauzinhos chineses. Está bem que me enganei e chamei crise de 1343-1345 à crise de 1383-1385, mas a partir de certa idade quarenta anos são uma ninharia e a resposta devia ter sido considerada correta. Conclusão, acho que o bochechas não me volta a convidar para um quiz pelo menos até à quarentena do covid-24.

No outro prato da balança, confesso que durante duas horas inteiras, dei bençãos e agradecimentos pelo recato e proibição de ajuntamentos promovidos pelo estado de emergência. Domingo às 19 horas, o virus permitiu cancelar a reunião de condomínio onde seriam abordados temas fraturantes como a coluna de esgotos e as infiltrações, a nova porta da rua e o ferro a imitar alumínio e a divisão em lotes para arrumos da casa da porteira que tem as humidades de Sintra e de São Martinho do Porto num espaço de uns 30 metros quadrados se tanto.

Amanhã tenho uma reunião e ainda não sei se hei-de reunir na cozinha ou se num dos quartos. Depende da escolha dos atletas cá de casa para as aulas de ginástica e para a sessão da geringonça do step. Vou perguntar ao cão onde é que lhe dá mais jeito.

quinta-feira, setembro 19, 2019

Dezoito aos dezassete


Pouco mais de um mês para os teus dezoito, meu loiro dos caracóis. Bem sei que andas há uns tempos com a urgência desta idade porque tamanha a injustiça de não seres maior, mas é que não temos pressa nenhuma de seres adulto e, de quando em vez, ainda és bebé de coeiro de cabelo loiro, cara vermelha e ranho no nariz. Tens pressa da carta de condução e por isso o mata-velhos vai dando para os gastos, tens pressa de poder trabalhar que a mesada parece sempre tão curta para tanta coisa, para tanto surf, para tanta saída, para tanta viagem, tens pressa para poder votar nas eleições do Sporting porque aquilo não está nada bem e precisa do teu apoio, tens pressa para os copos à noite como se já não os houvesse à conta daqueles que já lá chegaram. A bem da verdade, há dezoito anos que tens pressa. É que o bochechas desbravou caminhos que te são tão urgentes. E em cada pressa tua, existe a nossa esperança um tudo nada feita de saudade.
Esperança que nunca percas essa tua irritante determinação, bem sei que por vezes a trato por teimosia, que te faz perseguir cada desígnio que enfias nessa cabeça. A mesma determinação que fez a marca “Nós no Pescoço” para venderes a todas as tias e a mais meio mundo, colares e pulseiras e que nos fez ir um sem número de vezes ao Martim Moniz buscar matéria prima nas lojas de chineses e indianos, e outro número de vezes para as feiras e para a praia porque os fregueses não podem esperar e porque se não te comprarem a ti vão comprar a outro qualquer. A mesma determinação que, com a cumplicidade da mãe, nos fez mudar mais uma vez de casa, o que aliás era obviamente essencial para que cada um tivesse um quarto e aquele sotão em open space já não vos servia a adolescência. A mesma determinação que te faz levantar de madrugada para chegar às 8 a Carcavelos e a porcaria do mata-velhos só anda a 50 e marés e ondas, são como tu, não podem, tampouco, esperar. A mesma determinação que te fez persistir na matemática porque a média de entrada não vai para baixa e se não for em Gestão mais vale fazer um gap surf-rambóia year.
Esperança que nunca deixes de ter, debaixo desse feitio-capaz-de-nos-deixar-à-beira-de-um-ataque-de-nervos-e-de-um-par-de-estalos-nessas-fuças, aquela dose certa de emoção que dá de si quando a dor ou a alegria te apanham em armadilhas.
Esperança que não leias este post, feito também de um imenso orgulho, antes de teres idade para não te envergonhares dele. Sem pressas.
Parabéns adiantados (lá quero saber de superstições) meu amor, meu loiro dos caracóis.

segunda-feira, outubro 15, 2018

As lembranças são ...

O ritual começou com o mais velho e depois, um por um, ao ritmo que ganharam a capacidade se deslocar autonomamente, estendeu-se aos outros Marias. Sempre foi assim enquanto estavam no Jardim Escola de Alvalade e sempre que o lufa lufa e a meteorologia permitiam. Parar o carro perto da Igreja, pequeno almoço na Biarritz, visitar os peixes no lago que fica no meio do largo e descida pelos caminhos de terra até à escola. O senhor da Biarritz já nos conhecia e sabia dos leites com chocolate, das sanduíches de fiambre aparadas e do café curto. Sabia também que os peixes do lago faziam parte das brincadeiras e desencantava um pedaço de pão mais duro para os Marias distribuírem logo a seguir aos vorazes animais. O caminho até à escola era feito em modo aventura sempre pela floresta sem tocar nas escadas de pedra que acompanham a lateral da igreja. Se, na véspera, tivesse chovido, mais emocionante se tornava a descida.
Acabei de ler que a Biarritz vai ser transformada numa Portugália. É assim aos poucos, por esta Lisboa fora. Os lugares ganham formas de memórias. Em Campo de Ourique onde cresci, ou na Guerra Junqueiro vizinha das mais recentes moradas, o comércio de dezenas de anos, faz-se camaleão para outros cenários. Os empregados já não nos sabem o nome ou rosto e vice-versa. Oxalá estes lugares saibam ser memória de quem, agora, os faz ritual.
Não que eu seja muito de saudosismos melancólicos, mas há que lugares que na coincidência de uma qualquer razão, ficam parte de nós. Até me entusiasmo com a nova Lisboa, das Giras, dos turistas, do ruído dos trolleys arrastados na calçada lisboeta, dos Uber, das viaturas de aluguer de curta duração e, pasme-se, até das trotinetas eléctricas, mas caramba, não me esmaguem o património das memórias capazes da persistência.
É que ter filhos entre a adolescência e a idade adulta não está fácil e os Marias não têm propriamente paciência para uma conversa ao jantar do tipo “Lembram-se de irmos à Biarritz e dar pão aos peixes e descer até à escola pelos jardins?”. Seria muito mais eficaz ir até lá e subtilmente despertar as memórias. Só que para me dificultar a vida, obrigam-me a começar a evocação de uma sanduíche de fiambre em pão de forma aparada e um leite de chocolate da Ucal, com uma casca de sapateira recheada e uma imperial. E dou o quê aos peixinhos do lago? Uns restos de vazia mal passada com molho Portugália? Tenham paciência. Colaborem.

sexta-feira, outubro 20, 2017

Cinza escuro como a paisagem

Sobre os incêndios pouco terei a acrescentar, tamanha a proliferação de especialistas na matéria que surgem após cada catástrofe. Pudessem nascer árvores à razão a que nascem entendidos em responsabilidades políticas, em ordenamento florestal, em prevenção e em combate aos incêndios. Pudessem crescer essas árvores à velocidade a que cresce o aproveitamento político da tragédia. Depois deste verão e outono, urgia convocar a chuva, a política competentes e a honestidade política. A chuva foi, evidentemente, a primeira a aparecer.

terça-feira, outubro 03, 2017

Vamos a votos

O bochechas votou E lá foi ele. Sem os pais, mas não sozinho. Bem o tentei convencer apelando ao coração, que quando ele era pequeno o levava comigo para a mesa de voto e que até o deixei votar no boletim das sondagens à boca da urna. Nada feito. “Vou com amigos”. O bochechas foi votar e ainda por cima sozinho. Sozinho no sentido de acompanhado, mas sem ser pelos pais. Só faltou dizer “mais vale só que mal-acompanhado”. O incauto deve ter feito asneira, deve ter votado mal, ou branco, ai Meu Deus ou pior ainda, será que votou nulo? N
ulo_que_coisa_horrível_malcriadão_a_desenhar_vergonhas_no_boletim, ou pior ainda, terá votado à direita? Deus me perdoe, antes um zé bastos com um testículo no PCTP MRPP e o outro no PAM, que um voto à direita. Parece impossível. Inconsciente que lhe tentei explicar tudo, os três boletins, cada um de sua cor, os órgãos para os quais ia votar e as competências de cada órgão. Confesso que tive dificuldade em explicar-lhe as propostas de cada força para a cidade e para a freguesia. Mas também, bolas, ele havia de as saber procurar. Enfim votou, no Filipa de Lencastre. Por falar em Filipa de Lencastre, estranhei que o movimento “Chega de Moradas Falsas” do agrupamento escolar não tenha marcado qualquer ação de protesto durante o dia das eleições. É que deve haver muita gente com morada falsa só para poder votar no Filipa. Pareceu-me uma oportunidade perdida para o movimento se fazer ouvir e para acrescentar mais uns quantos nomes à queixa crime entregue ao DIAP. Eu, pessoalmente, até acho que o critério da proximidade deve ser considerado para colocar alunos numa escola. Por outro lado, não sei se prefiro que os meus filhos tenham como colegas uns miúdos que moram um bocado mais longe e que têm uns pais xicos-espertos com imaginação para mudar a morada ou arranjar um encarregado de educação residente no bairro, ou se, por outro lado,
prefiro que eles tenham como colegas os filhos de uns pais meio assanhados com a xica-espertice dos outros, que apelam ao respeito pelas regras em comunicados nos carros, nos postes da rua, na caixa do correio, e que entregam uma queixa crime contra os xicos-espertos. Tenho cá as minhas dúvidas se não seria melhor critério, uma entrevista aos pais das crianças que pretendem frequentar a escola. Uns psicotécnicos parentais. Cheira-me que os meus iam parar à C+S de Paio Pires ou coisa que o valha.

quarta-feira, setembro 13, 2017

50 e então ? (Parte II)

Um tipo tem uma data de apelidos. Porque fica bem e contribui para a igualdade do género, ter dois do lado mãe e dois do lado do pai. E mais uns "de" e "do" pelo meio, só para acamar. Tudo junto, com o primeiro nome e sem contar os espaços em branco, são 32 caracteres. Isto dá 20 segundos para escrever o meu nome em vez dos 2 que demoraria se eu me chamasse Zé Sá. Ora 50 anos, a escrever o nome completo umas duas vezes por semana…. é fazer as contas. 26 horas que o estupor do Zé Sá, que nasceu no meu ano, teve para fazer outras coisas que não fossem escrever o nome completo. Em compensação, tem um nome que parece ser filho de um casal de receitas de bacalhau. Infância infeliz a deste Zézito. Filiação: Zé do Pipo e Maria Gomes de Sá.
Ora como se não bastasse e exagero do nome, bem sei que há maiores, um tipo chega a esta idade e cada vez que tem que escolher a data de nascimento num formulário on-line, faz um scroll de umas trinta voltas da roda do rato para encontrar o bendito 1967. Já o adolescente que cresceu rodeado por tecnologia, encontra à primeira o seu irritante dois mil e qualquer coisa. Chegamos a esta idade e só à conta dos formulários online sujeitamo-nos a arranjar uma tendinite e uma artrite no indicador da mão que usa o rato. Dá jeito, porque aos quarenta passámos a usar óculos e a vigiar a próstata (e vigiar aqui é um termo muito simpático face aos actos médicos envolvidos na vigilância prostática), depois a coluna começa a dar de si, aparecem as lombalgias que nos fazem acreditar que deve ser agradável acordar com garfos de fondue espetados na coluna, isto para não falar do cabelo que esse, graças a Deus, desde os 18 que começou a peregrinação da minha cabeça sabe-se lá para onde, dos dentes que têm que ir à revisão duas vezes por ano e de tudo aquilo que nos acontece porque, incautos, ainda nos achamos com a agilidade e a destreza dos 20. Dos 30 vá. Quedas de bicicleta do passadiço abaixo por exemplo, ou o torcicolo à conta do pino cambalhota na praia. Quem disser que os cinquenta são os novos trinta ou quarenta está só a ser… Como dizer isto? Parvo? Os cinquenta, são é os novos cinquenta. Iguaizinhos aos anteriores, mas com a tendinite no indicador da mão do rato graças à tal da user experience de que tanto se fala.
No outro prato da balança, havia de estar a sabedoria que, inevitavelmente, vem com a idade. Acontece que, no meu caso, está atrasada, o que por si só explica e enquadra a queda da bicicleta, o pino cambalhota, aquela tendência absurda para cair vestido dentro de água, o jogo de padel que quase rebento a rótula com uma raquetada mal calculada e outras coisas menores e melhores como noitadas de copos e amigos, a gastronomia farta em excessos ou esta montanha russa que é o Benfica capaz de me levar da euforia à depressão e vice-versa em poucos dias. Enfim, nalgumas coisas a sabedoria há-de chegar, nas outras há-de tardar, porque convenhamos, asneirar também tem as suas virtudes e a vida também se faz destes pequenos prazeres, preferencialmente bem acompanhado. Afinal de contas 50 é só um número redondo que adquire aquele élan por ser tendencialmente o único múltiplo de cinquenta que um tipo celebra. Tomara mesmo que seja, porque o tubo da algália embrulhado com a corrente do triciclo da 3ª idade deve, além da queda aparatosa, dar umas dores capazes de fazer inveja às lombalgias dos jovens de 50.

domingo, setembro 10, 2017

50 e então ?

Gosto de Agosto. Gosto pronto. Pelas férias, pela Lisboa deserta sem trânsito, pela praia que nem gosto tanto, mas que sabe bem no começo e no fim do dia e na hora da bola de Berlim, pelos amigos nas férias, as festas e, pasme-se, as feiras. Essa de São Mateus ou a deste ano em Grândola sempre morena e da fraternidade. Gosto do fim de Agosto porque se aproxima dos recomeços, dos regressos e das rentrées. Porque faço anos também e desta vez, palavra de honra que foram 50. Redondo o raio do número e veio com direito a festa com os que estavam por perto e prendas carregadas de histórias. Sobretudo um livro. Um livro feito de histórias e contributos e memórias. Um livro feito de trabalho muito trabalho, feito de amor, tanto amor. As histórias tiradas deste blog, as fotos tiradas ao longo das 5 décadas, os contributos escritos por tantos que as partilharam comigo e me escreveram como se de poesia se tratasse. E foram tantos contributos, tantas peças costuradas com cuidado neste livro capaz de me arrancar risos, lágrimas, saudades e amor. Tanto amor. Obrigado a todos. Obrigado meu Amor.

domingo, junho 11, 2017

Ir à lua e voltar

Então toca lá a reunir família para a exposição Cosmos Discovery, porque o tema é leve, o fim de tarde à beira rio também apetece, e vai daí o mais novo dos Marias leva amigo para compor o ramalhete de família numerosa. Foi preciso arranjar um nome à pressa para o amigo do António porque para o bilhete família tinha tudo que ser filho e o miúdo chama-se João como o mais velho. Fica André e resolve-se o assunto. Papéis distribuídos e a ida envolveu dissertações imensas sobre as  inúmeras vantagem de ir ao Jardim Zoológico ver animais em vez de ir à tenda branca ver capacetes do século passado, algálias e arrastadeiras com sucção. Ora uma vez lá chegados ao Cabo Canaveral da marina de Belém lá entrevistámos vários visitantes acabadinhos de chegar de Marte, só para confirmar se valia a pena o dinheiro do bilhete familiar para o conteúdo da exposição. A única coisa que descobrimos é que o bilhete familiar só inclui descendentes menores que 12 e que os 18 do João e os 15 do Manel jamais estariam incluídos. "Eu sempre disse que o melhor era o Jardim Zoológico" pareceu-me ouvir no grupo de jovens adultos e adolescentes. Acontece que a senhora fechou os olhos à idade dos Marias e embevecida pelo casal com coragem para gerar aqueles 4 entusiastas do Jardim Zoológico.
Valha-nos que a exposição envolvia uma cadela e um chimpanzé que foram passear à volta do planeta azul e a coisa até tinha alguma graça. Mais um passeio até ao padrão dos descobrimentos e até se pode comer um gelado, mas a bem a bem era jantar ali que a fome que temos não vai lá com Cornetos, e os segways é que ia ser giro porque o mais certo era ficarem mais em conta que a porcaria da exposição do espaço e o camandro.
Enfim, pais à beira dos cinquenta e filhos adolescentes dá uma animação extra a estes programas familiares. Do programa a que não fomos, o do Jardim Zoológico, trouxemos algumas trombas para casa, do programa a que fomos, o do Cosmos, trouxemos aquela vontade de os mandar estagiar uns dias no espaço. 
Chegados a casa e a coisa já acalmou, já estamos a planear o próximo programa em família. Diz que há a exposição das sardinhas de Lisboa. Bem sei que não é uma ida ao Jardim Zoológico, mas 10 anos de sardinhas devem ser umas 1000 sardinhas. Praticamente uma ida ao oceanário.

segunda-feira, setembro 12, 2016

Drª Constança Engº João

O jantar de ontem foi marcado a contas com o nervoso miudinho. O óbvio nervoso de quem vê os filhos à entrada da estreita porta para novos vôos. Cabeça e coração feitos loucos, porque isto de ser pai é tanta coisa e que de poetas e loucos todos temos um pouco. É que ainda ontem choravam com fome ou com cólicas ou com o que quer que fosse, é que as médias de entrada são altas, é que mal sabem andar, e os exames até trouxeram boas notas, e eles entraram na cresce hoje não foi?, e estudaram tanto estes miúdos, mal chegam às carteiras da primária, são tantos para os mesmos cursos, é que ainda agora … Os pais são assim. Estúpidos, nervosos, preocupados, babados, ansiosos, fanáticos. Vocês fazem-nos assim, nós fizemos-vos assim.
E eis que o calendário do ministério nos troca as voltas, e na véspera do jantar de dois pares de pais, saem os resultados. Telefonemas para cá, mensagens para lá, perguntas, mails, consultas a sites. “No meu tempo era uma interminável listagem nos vidros da reitoria”.  Risos. Entraram. Entraram. Entraram. O jantar da espera dos resultados, fez-se jantar de festejo. Pela Constança da Catarina e do João. Pelo João Maria da Ana e do André.
Ontem festejámos com eles de sorrisos escancarados. Ontem, só por magia, só por um jantar, ela já era médica e ele já era engenheiro. Ontem, só por um instante ela acorda todos os dias com a vontade de salvar vidas e caramba, se ela sabe da importância de uma vida salva, minha querida Constança. Ontem, só por um sonho ele acorda todos os dias com a vontade de fazer um mundo mais feliz e caramba, se há homem feliz nas nossas vidas, meu querido João. Ontem brindámos com copos cheios de orgulho e abraçámo-los como se cada um deles fosse o Éder a marcar à França. Ontem fomos recriminados por eles pela hipérbole dos festejos, como crianças mal comportadas. Ontem fomos metade poetas metade loucos e felizes.

Felizes por inteiro.

quinta-feira, junho 02, 2016

Estes asteriscos e as letras pequenas ...

... dos contratos que nos surpreendem sempre.

O texto original da renovação do contrato era tão bom, e vai daí que tive que me sujeitar a asteriscos. Também não vou embirrar com um ou outro *. O que era assim:
____

Renovação



De acordo com os termos definidos a 1 de Junho de 1996, pelos outorgantes do contrato ainda em vigor, nomeadamente nos versículos  4 a 7 do capítulo 13 dos Coríntios:
“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”
E ainda pelos termos declarados “até que a morte vos separe”, “cenas na alegria e na tristeza” e “na saúde e na doença” e outros que tais, comprometem-se os mesmos outorgantes a renovar os votos por novo período de duração igual ou superior a 20 anos.
Mais declaram os outorgantes, que não constituem precedência para este novo período, os factos ocorridos na dupla década que antecede a assinatura desta renovação, a saber:
Trocar de casa com a periodicidade com que se troca de carro
Garantir descendência nos primeiros sete anos de vigência à razão de uma unidade por cada período de três anos
Transporte de uma parcela da casa superior a 70% sempre que se vai de viagem mesmo que seja por uma noite
Outros
Por serem a melhor escolha nestas bodas_sai_me_da_frente_que_já_não_te_posso_ver_nem_pintado declaram os outorgantes ser por sua livre vontade a renovação do supra citado contrato celebrado pelos mesmos em 1 de Junho de 1996.

1º Outorgante, benovente e cônjuge                              

______________________________                              

2º Outorgante, benovente e cônjuge

 _______________________________  


Lisboa 1 de Junho de 2016

____
Ficou assim:


quarta-feira, maio 11, 2016

FMI - Futebol, Malas e Imbecis

À semelhança da grande maioria das mulheres, Portugal tem um relacionamento sério com malas. Perde-se de amores por elas.
Começou com Linda De Suza e a sua "Valise en carton sur la terre de France". Já lá vão tantos anos, tanta valise. Depois, há um par de anos atrás, Filipa Xavier - Pepa e a sua Chanel fizeram furor nos media - redes sociais incluídas.  Finalmente, desde a semana passada e a propósito deste emocionante final de campeonato, um responsável Benfiquista insinuando incentivos financeiros oferecidos pelo Sporting para os adversários do Benfica lhes roubarem pontos, resolveu escrever no Twitter "O jogo da Mala segue para a Madeira".
Esta tradição lusa no que a malas diz respeito, configura um clássico caso de excesso de bagagem, o que em qualquer lowcost dá direito a encargos que ultrapassam o valor da própria passagem.
A Linda de Suza tinha mau gosto mas era esforçada, a Pepa tinha bom gosto e foi descuidada, o responsável Benfiquista limitou-se a ser um responsável de um clube de futebol na época 2015 - 2016. E palavra de honra que se sofresse de vergonha alheia no futebol, teria vergonha da maioria dos dirigentes e responsáveis do Benfica e do Sporting durante este ano. a saber João Gabriel, Pedro Guerra, Rui Gomes da Silva pelo Benfica. Bruno de Carvalho, Inácio e Octávio Machado pelo Sporting.
Meus senhores:
Vivo numa família onde há sportinguistas e benfiquistas. Eu sou do Benfica, a minha mulher do Sporting, os meus três filhos são dois do Benfica e um do Sporting. Se cá em casa fossemos 10 milhões, e mantendo a proporção, seríamos 6 milhões do Benfica e 4 milhões do Sporting. E teríamos alguns 2 milhões de cães. Todos teimosos.
Gosto de ir ao futebol em família, todos juntos ou alguns juntos conforme as possibilidades, mas gosto sempre. Vou à Luz e a Alvalade e torço sempre pela equipa da casa exceto quando jogam uma com a outra e, nesse caso, torço sempre pelo Benfica. A seguir ao Benfica, o Sporting é o meu clube do coração.
Ao longo destes anos todos esforcei-me por ensinar os meus filhos a respeitar os rivais, a defenderem o seu clube, mas nunca retirando valor ao clube adversário.  Insisti no respeito mesmo quando fomos a um derby vestidos a rigor e nos aconselharam a esconder os símbolos do clube visitante e ainda nos sugeriram que víssemos o jogo em bancadas separadas do estádio porque estávamos vestidos de Benfica e de Sporting. Ensinei a orgulharem-se do seu clube sem agredirem o adversário porque afinal de contas os dois clubes têm história e valor suficiente para serem motivo de orgulho dos seus adeptos. E este ano, palavra de honra, merecem estar a disputar o campeonato até ao último minuto, até à última gota de suor. Já festejei e ensinei a festejar campeonatos dos adversários e foi assim desde 2000. Festejamos dois campeonatos do Sporting e quatro do Benfica. Juntos.
Meus senhores parabéns. No que a esta casa diz respeito, vocês tornaram quase impossível a pacífica convivência entre rivais. Acusam, insinuam, insultam, desvalorizam, enxovalham e desrespeitam os vossos adversários como se esse fosse o único caminho para o almejado título para a imensa glória. Se o tema fosse religião, e por vezes até se confunde, o João, o Pedro, o Rui, o Bruno, o Augusto e o Octávio acabariam alistados nas mais radicais facções da sua religião, almejando fazer-se explodir em território alheio. Por mim, meus caros, podem explodir a vossa visão tolhida do que é o futebol e do que é ser do Benfica e do Sporting.
João Gabriel, Pedro Guerra, Rui Gomes da Silva, Bruno de Carvalho, Augusto Inácio e Octávio Machado, às 19 horas de Domingo saberemos quem é o campeão e eu sinceramente espero, que cada um de vós, seja de alegria por ser campeão, seja por desespero pelo adversário ser campeão, bata com a cabeça numa porra de um teto baixo qualquer e fique com uma perturbação de memória que vos faça acordar na pele do mais ferranho adepto do clube rival.
Cá em casa, quem quer que seja campeão, haverá lugar a festejos e vamos todos buzinar por essa Lisboa fora e gritar bem alto "Campeões, campeões nós somos campeões".
Caso não tenham a tal perturbação de memória, lembrem-se, daqui para a frente, que o futebol não é sobre insultar o adversário, é sobre valorizar e festejar o nosso clube. Há muitas famílias como a minha em que benfiquistas e sportinguistas vivem juntos, comem juntos e amam-se. Deixem-se de merdas e cresçam.
Ao campeão desta época. Parabéns.

domingo, março 20, 2016

Cavaco para o Planalto

Em conversa com um brasileiro há muito residente em Portugal, perguntei-lhe sobre estes tempos de conturbação no Brasil. Ele puxou da fácil definição: "O Brasil é um Portugal sem travões". Faltou-lhe dizer que Portugal é um Fiat 500 e o Brasil um Cadillac. Ambos com fugas de óleo, folgas na direção, consumos exagerados e a precisarem de ir rapidamente à oficina, mas a ostentação Brasileira contrasta com a modéstia Lusa.
Nos últimos anos assistimos em Portugal ao mais cinzento período de que tenho memória. Um condutor obcecado pelo consumo, e ao seu lado, no lugar do morto, a figura pálida de um passageiro que alterna entre o dormir e o babar-se durante toda a viagem. Durante esses tempos de governo a preto e branco e de presidência a cinzento claro e escuro, muitos Portugueses contestaram a presença daqueles nos lugares da frente de Portugal. Acontece que, quer um quer outro, foram colocados pelos mecanismos previstos pela nossa democracia e saíram no final dos respetivos mandatos. Hoje, ao volante, temos um condutor que guia de outra forma, contestado por não ter sido o mais votado, lícito por ser escolhido pela maioria dos deputados. Ao seu lado a figura é um atento co-piloto, feito às cores e adepto confesso de afetos. Se o Fiat faz o sinuoso trilho que tem pela frente é uma interrogação para a qual não há certezas, mas caramba, pelo menos o bólide anda. As fugas vão sendo diagnosticadas, algumas descobertas e dessas , algumas são resolvidas com a lentidão de uma oficina pouco ágil e habituada à morosidade da justiça.
No Cadillac do Brasil, espanta-me a possibilidade do condutor ser retirado à força do volante. Há mecanismos previstos para que o presidente seja afastado da presidência, mas a força nunca será um deles. A corrupção devia ser o alvo a abater e os brasileiros andam entretidos em batalhas de rua entre apoiantes da corrupção e apoiantes da corrupção alternativa à corrupção. Diz-se que um povo tem os políticos que merece, mas, palavra de honra mesmo perdendo 7-1 com a Alemanha, o Brasil não merece estes políticos. Nem sei o que diga sobre o que se assiste do lado de lá do oceano. Lula já foi nomeado e suspenso e suspendido na suspensão da nomeação umas trezentas vezes, a justiça participa em manifestações, Lula questiona-se sobre o paradeiro das mulheres de grelo duro e as  pessoas não podem andar de encarnado porque podem ser alvos de violência. Esta é que me deixou de rastos. Eu até pensei que fosse uma espécie de questão futebolística como aqui acontece. Como ser arriscado ir vestido de Benfica para o meio da JuveLeo. Mas não. É só litigio da cor da corrupção. Ainda por cima, num país em que muita gente consegue na mesma indumentária juntar verde e amarelo, com que moral resolvem espancar quem anda de vermelho? Tenham paciência. Com as combinações de cores que se vêem por ali eu acredito que haja gente que só à pancada. Mas por causa do vermelho ?
Eu acho que a solução óbvia é pegar no nosso ex presidente e enviá-lo para o Brasil. Cavaco jamais perguntará "Onde andam as mulheres de grelo duro?" . O máximo que Cavaco pode perguntar é "Aqui não há bolo rei mesmo que seja duro?". Depois Cavaco não é corrupto. Pode ter amigos que são, mas esses têm a mania de fugir para o Brasil, portanto, para Cavaco, ir para o Brasil não é mais que ir visitar amigos. Por último Cavaco é muito amigo do Carnaval, já desde o tempo em que era primeiro ministro e portanto aquilo do País do Carnaval era como peixe na água.
Eu sinceramente acho que ia ser bom para ele, para os Brasileiros e já agora para nós. Assim do ponto de vista do cinzentismo exibicionismo do bolo alimentar.

segunda-feira, janeiro 25, 2016

Só eu sei porque não fico em casa

Quando ontem, as televisões anunciaram quase em uníssono que não haveria segunda volta, milhares de Sportinguistas foram para o Marquês festejar o título. "Contra tudo e contra todos, somos campões. E logo à primeira volta."


quinta-feira, novembro 12, 2015

Help On Line

Aníbal:
Para quem "nunca se engana, raramente tem dúvidas e não perde mais que 5 minutos por dia a ler jornais", está a parecer demoradito encontrar a solução. Como eu sou boa pessoa, resolvi dar algumas sugestões que eventualmente possam estar a escapar-te:
- partir o país em dois países com duas maiorias absolutas diferentes e logo se via se a Comporta do Ricardo Salgado ficava na Coelhoportazâmbia ou na Costosousamartinica
- nomear o José Sócrates para primeiro ministro, porque está habituado a ambientes diferentes e é um político que, sendo do PS, tem a mania de fazer coisas à moda do PSD
- dividir isto em semanas e fazer uma espécie de timesharing da governação - o Coelho governava nas semanas pares, o Costa nas ímpares e havia umas 10 semanas, ali por alturas de férias, para dividir entre o Portas, o Jerónimo e a Catarina.
- decidir isto através da marcação de grandes penalidades
- decidir por um governo 24x7 . Numa semana o PS assegurava a governação das 8 às 16 , PSD das 16 às 24 e os partidos mais pequenos faziam as noites. Depois, na semana seguinte, trocavam os turnos. O país está longe de estar bem, pelo que, um governo com os horários dos serviços de urgências, é o mínimo que se espera.
Isto foi só assim num repente, a pensar um bocadinho. Ora o meu amigo, tem tido tempo de sobra para pensar, razão mais que suficiente para fazer a sua escolha. Olha que se isto estivesse nas mãos do Marcelo Rebelo de Sousa, a coisa já estava mais que resolvida. O homem está acordado algumas 20 horas por dia. Vinteeeeee Aníbal, vinte. Ele, quando chegar aos dois anos de presidência, já leva mais horas de presidência acordado que tu.
Nem precisas agradecer, se não gostares de nenhuma destas alternativas avisa-me que eu tento arranjar mais soluções.

terça-feira, novembro 10, 2015

E morreram felizes ...

Este fim de semana fomos ao teatro. No pavilhão 30 do Júlio de Matos. Esse mesmo hospital de muros tão altos para evitar que os loucos entrem lá para dentro. O público obrigado ao silêncio e ao uso de máscara de cirurgia. Esse é o contrato. Não falar e usar a máscara e em troca a liberdade para passear pelas 27 salas onde a peça acontece, correr alucinado atrás dos personagens, escolher que personagens quer seguir, que cenas quer ver. Todas as salas vestidas a rigor num cenário hospitalar de 1949: instrumentos, mobiliário, salas, corredores, personagens, escadarias. Iluminação exemplar, encenação brilhante e boa coreografia. Teatro imersivo dizem, onde não há barreiras entre o espetador e os atores, e que falta fizeram algumas das vezes quando numa correria, numa cena violenta, ou no baile de abertura fazemos parte do próprio espetáculo. A simples história de amor de Pedro por Inês sabiamente enredada com a lobotomia de Egas Moniz é representada duas vezes para que possamos mudar de cenários, personagens, coreografias. A sensação com que fiquei é que ao fim de cinco idas ao teatro teria esgotado tudo o que há para ver naquela peça. O ambiente entranha-se facilmente no espetador e é fácil deixar-nos transportar. Saio divertido e com a sensação de tempo mais que bem empregue.

À saída foi inevitável pensar sobre que outros lugares que não um pavilhão hospitalar funcionariam como cenário para um outro argumento, uma outra tragédia uma outra história de amor. Seria estúpido não o dizer hoje, não o escrever aqui, seria estúpido no dia em que o governo de Passos caiu, não dizer que a assembleia era o outro cenário perfeito para uma outra história. Gritos, birras, poses, egos, semblantes alterados, coreografias, cenas violentas, escadarias, desesperos, choros, alianças, coligações, acordos, amores, disputas, ciúmes, pompas e circunstâncias, manifestações exteriores, manifestações no hemicírculo, assinaturas em salas parlamentares, Pedros, Paulos, Antónios, Catarinas, Jerónimos, Andrés.
Tantas peças podiam ser escritas para este cenário, até histórias de amor. O que hoje aconteceu, e acredito até que os fatos me desmintam, é uma história que pode dar muito certo se o amor ao país e às pessoas for maior que o amor aos umbigos e ao interesse de poucos. Este PS merece  o mérito de ter criado muitas ruturas com outras tantas tradições. A Assembleia é a casa mãe da democracia e nem vou pensar qual é a casa pai, e o que hoje assisti foi a democracia a funcionar. Vejamos quantos amores, quantos ódios e quantos orçamentos aguenta este enredo. Por mim continuo imerso nesta peça com a real esperança dos finais felizes. Já agora, quando falam de Passos perdidos, é disto que se viu hoje que falam não é ?



domingo, novembro 01, 2015

Porque sim

Porque hoje morreu um cineasta Português ... porque em jeito de coincidência hoje me lembro de quem me ensinou sobre Jazz, sobre cinema e sobre a doçura que podemos trazer à nossa vida . La Dolce Vita



terça-feira, outubro 13, 2015

Costa Concordia

Os resultados eleitorais são o que são e sobre eles não vale a pena tecer grandes considerações. O PaF ganhou as eleições sem maioria absoluta e o PS perdeu. Posto isto, Pedro é chamado a Belém e António à comissão política. Pedro promete a Aníbal procurar uma base de sustentação para formar um governo que dure quatro anos, Costa promete ao PS dialogar em 360º para procurar consensos. Pedro teve duas reuniões com António e levou Paulo com ele. António conversou com Pedro, com Paulo, com Catarina, com Jerónimo e com o André. Eis que então começa a surgir a possibilidade de António formar governo com ou com o apoio do Bloco e / ou a CDU.
Este cenário, que não passa disso mesmo, de um cenário está a deixar muita gente nervosa, a desenterrar muitos fantasmas, muito irritada e sobretudo numa excitação descontrolada perto da histeria que lhes está a tirar algum discernimento de raciocínio.
Percebo alguma irritação porque António está a procurar outros consensos enquanto Pedro e Paulo continuam  fascinados pelo umbigo um do outro, pouco mais fazendo que reunir com António em tom de quem anda a toque de caixa para não perderem o comboio. Convém lembrar a estes senhores que ganharam as eleições e que têm um governo e um programa a apresentar e que colocarem-se como espetadores não abona muito a favor deles.
Percebo alguma frustração e desencanto da direita com a coligação, porque votaram num programa da continuidade, e agora Pedro e Paulo querem governar pelo programa do António.
Já o nervosismo com as conversas que António tem à sua esquerda, é-me muito difícil entender.
Alguma vez Aníbal chamaria António para formar Governo?
Alguma vez o PCP faria parte de um governo PS ou apoiaria um governo PS durante toda uma legislatura? Axandrem-se. Nem o PCP cede tanto, nem o PS muda tanto.
Com certeza que não, mas esta possibilidade de, passados 40 anos, a esquerda poder entender-se torna tudo muito incómodo.
Pessoalmente, dá-me um gozo bestial que haja maior entendimento entre os partidos de esquerda e ainda maior ao ver a cara de caso de Paulo e Pedro e o nervosismo disparatado de quem os acha uma escolha razoável.
Também gosto de saber que o PCP e o BE, em pouco mais que uma semana, passaram a fazer parte do arco de governação e que Paulo inventou um novo arco: o arco europeu. Só ainda não percebi qual é que tem maior diâmetro: o da governação ou o europeu?
Só espero que o António seja um tudo nada mais divertido na liderança deste processo, já que parece ser o único com vontade de o fazer. Ao menos que o faça em grande.
A meu ver, o António não é homem não é nada, se na próxima reunião com o Pedro e Paulo não trouxer o TGV e o novo Aeroporto para a mesa das negociações.
E a libertação do preso político.
E o carro eléctrico.
E as novas oportunidades.
A terceira travessia do Tejo não é preciso, porque com o atual diâmetro do arco da governação, basta colocar o CDS-PP no barreiro e o Bloco no Terreiro do Paço. No ministério das finanças por exemplo. 

segunda-feira, outubro 05, 2015

Portugal Capaz

Somos um povo de brandos costumes, do cala e do consente, das Amélias dos olhos doces, das Marias vida fria à espera que a vida lhes dê a oportunidade das Marias Capaz. As mulheres da porrada de todos os dias, da violência, do insulto, do sexo à bruta, da ameaça, das promessas quebradas, dos sonhos desfeitos, das marcas no corpo, das feridas da alma, da vergonha, do medo, da vida desfeita. O que as separa da fuga? O que lhes impede a denúncia? O que as faz reféns? Porque foi só uma vez, porque no namoro ele lhe dizia coisas tão bonitas e a respeitava tanto, porque tem andado a beber, porque a ama daquela maneira tão peculiar e além desse amor não tem outro, porque não tem para onde ir, porque ele ia arranjar maneira de lhe por as mãos em cima, porque ele ia ficar tão desesperado, porque os filhos precisam deles juntos, porque ele está desempregado e nem sequer é violento, porque o que é que os outros iam dizer, porque ia viver do quê, do ar? E até quando? Até ficar sem dinheiro e precisar dele outra vez?
Não, não são elas as cobardes. Em cada uma delas há uma capacidade infinita para sofrer, para amar, para perdoar, e para lá de tudo isso para um dia se tornarem numa Maria Capaz. A cobardia está em cada um deles. Pelo poder da besta, pelas frases de chantagem, pelas promessas quebradas, pelas falsas declarações de amor, pelo medo que as diminui, pelas marcas no corpo e na alma.
Agora preciso de muito cuidado com a figura de estilo porque o assunto é demasiado sério para ser usado como argumento. Faço-o porque abomino a argumentação do medo, da chantagem, das falsas promessas, da vergonha dos outros. Faço-o porque acredito com todas as forças que houve quem tivesse feito escolhas sob um clima criado para condicionar essas escolhas. Faço-o porque de cada vez que ouvi estas frases, me lembrei das Marias Capaz. E ouvi-as ao longo dos últimos meses, ditas pelos nossos governantes.
“Têm duas escolhas, ou manter o caminho que nos trouxe aqui ou voltar aos tempos que vos levaram à desgraça, porque sem nós este país volta ao despesismo. Mas acham que nós gostamos de austeridade? Não fomos nós que a quisemos, foram aqueles que estiveram antes, aqueles que vocês escolheram que nos obrigaram a fazer o que fizemos. Fizemo-lo por amor. Porque mais importante que os nossos interesses é o interesse de Portugal. Olhem para aquela galdéria da Grécia que decidiu que não queria mais austeridade. O que é que lhe aconteceu? Vocês é que sabem. Tanta coragem para eleger um grupo de radicais e olhem como está agora. Debaixo de um novo programa de ajustamento ainda mais duro, comentada pelo mundo e massacrada pelos mercados. É isso que querem? Se for isso, votem nos outros. Querem seguir o rumo que nos tirou do pântano ou embarcar em aventuras para voltarmos a ter a Troika? Quatro anos a por a casa em ordem e agora acham que vamos novamente para a caos? A escolha é simples. A estabilidade e o rigor, ou mais uma aventura que só vai conduzir a mais austeridade. Prometemos que agora não vamos bater, a casa já está em ordem. A partir de agora tenho tanto carinho para te dar. Foi tudo por amor a Portugal.”

Claro que as distâncias têm que ser devidas. Claro que dos 39 % (dos menos de 60% que foram às urnas), muitos houve que votaram na coligação pelas melhores razões. Por acreditarem na ideologia, por concordarem com as propostas, por gostarem dos líderes, por confiança no projeto e nas pessoas. Mas muitos, e estou certo disto, fizeram-no porque o clima do medo, da chantagem, do racional "sem mim não serás ninguém",  resultou. Um dia o meu país, tenho a certeza, há-de ser um Portugal capaz.

quinta-feira, outubro 01, 2015

Aniceto Taxista

Aquilo era demais, parecia uma perseguição. A tal da globalização de que falam com tanto entusiasmo, o infinito leque de oportunidades, parecia existir tão-somente para lhe arruinar a vida. Irra que parecia de propósito. Tudo começou com o clube de Vídeo, e só Deus sabe o quanto lhe custou arranjar aquele 2º emprego. O dinheiro que ganhava a distribuir listas telefónicas não era muito e sempre ganhava mais uns trocos ali no clube de vídeo da zona, horário noturno já se vê. Até às 10 a coisa era animada e entre as 10 e a meia noite aparecia um ou outro cliente com umas preferências mais ousadas. Esses foram os primeiros a desaparecer. A TV Cabo começou com os canais de adultos e em pouco tempo, a freguesia das sessões contínuas começou a rarear. Nem foi preciso esperar muito tempo até o fenómeno se estender aos restantes géneros. Maldita internet. Nem chegou a dois anos para assistir à debandada da mais fiel clientela do aluguer de filmes. O inevitável aconteceu e o clube acabou por fechar.
Mas um homem nunca desiste e já que os filmes estavam na rua da amargura, e as listas telefónicas rendiam pouco, o cunhado era taxista e podia dar-lhe uma ajuda. E assim foi. Às seis da tarde pegava no táxi do cunhado e fazia umas corridas até que o sono deixasse. E ia assim a vidinha até que ao dia em que a firma da distribuição das listas, … enfim, já se sabe. “Agora já não há muito telefone fixo, e mesmo os que têm, espalham-se por vários operadores, e já ninguém usa as listas, pesquisam tudo na net. A bem a bem, só os vendedores de castanhas e as empresas de sondagens em tempos de campanha eleitoral para escolherem amostras representativas…. Não temos espaço para si na empresa”. Tantos anos a carregar listas, escada abaixo escada acima, deixa uma recolhe a velha, tanto degrau tanto papel e, de quando em vez, lá havia um assinante que dava uma ajuda mais generosa. Ora bolas outra vez a net e as novas tecnologias a pregarem-lhe uma partida.
Mas um homem nunca desiste e passou a fazer todo o turno da noite no táxi do cunhado. O dinheiro não era muito mas, palavra de honra que era dinheiro honesto. Pelas conversas que ouvia na praça, lá se ia apercebendo de umas trafulhices que os seus colegas faziam, e dos azares de serviços pequenos depois de horas na fila do aeroporto, e de clientes que estão mesmo a pedi-las, muitos deles nem gorjeta davam. Nada disso lhe interessava, o seu trabalho era transportar pessoas e era isso e apenas isso que fazia, com a simpatia que lhe era possível. As gorjetas que quase sempre recebia pareciam-lhe um sinal de que fazia o que devia ser feito. E logo agora, não é que agora aparecem uns tipos de carros imaculados, todos bem vestidos, muitos deles bem-falantes e educados a transportar pessoas de um lado para o outro. Tudo por causa de uma aplicação vinda, pasme-se o azar do homem, da internet. E ainda por cima o pagamento é feito pela aplicação e o percurso é monitorizado e gravado. Maldita tecnologia. Os colegas já lhe tinham falado daquilo, mas foi ver com os próprios olhos. Sim senhora, carros topo de gama, impecáveis e asseados, com motoristas que pareciam executivos. Aquilo deu-lhe que pensar. E os colegas a quererem fazer a folha aos tais motoristas, tanto mais que havia uma decisão do tribunal que decidia sobre a ilegalidade deste novo serviço. Querem lá ver que a tal da tecnologia lhe ia fazer de novo a folha?

Não, nada disso. É que um homem nunca desiste. Aniceto foi tratar do assunto e desta vez resolveu fazer justiça pelas próprias mãos. Apanhou um desses seus colegas de praça a jeito, e disse-lhe das boas “Tu és mesmo uma besta. Andas com o carro que mais parece uma pocilga, gabas-te dos trajetos mais longos que propositadamente fazes, irritas-te com os clientes que te pedem percursos pequenos, tens uma figura tão cuidada quanto a viatura, insultas quando te dão gorjetas a que chamas miseráveis, diriges-te com palavrões aos outros condutores e conduzes como se fosses dono da estrada.  Achas mesmo que são estes senhores que te estão a arruinar o negócio? Queres bater-lhes e destruir-lhes o automóvel? Achas que a atividade deles é ilegal? E aquilo que fazes aos teus clientes, é o quê? Queres mesmo impedir que eles tenham clientes, nem que seja ao estalo? És tu o culpado do sucesso deles. Vai-te esbofeteando até teres consciência do que andas fazer aos teus colegas que têm brio no que fazem. É que se essas pessoas resolvessem fazer o tipo de justiça que tu fazes, tu, e os outros como tu, iam passar tempos muito duros. Cretino.” 

quinta-feira, janeiro 22, 2015

Bárbara e Manuel

Este casal não pára de surpreender. Desta vez, Carrilho ameaçou publicar na Net fotos de Bárbara. Os tempos que se avizinham não serão fáceis nem para Manuel, nem para Bárbara, nem para todos nós que assistimos passivamente a este enredo que se passeia entre a novela e o Big Brother famosos.
Bárbara é menina para responder à altura, ameaçando também publicar fotos de Carrilho todo nu, o que, convenhamos, roçava o terrorismo. Pelo sim pelo não, o melhor é prepararmo-nos para uma grande jornada de apoio aos protagonistas desta história, pelo que vou começar a comercializar t-shirts adequadas a esta novela, de acordo com as preferências de cada um  :